Notícias e Destaques ACOS

ACOS co-organiza I Congresso Luso-Espanhol de Pecuária Extensiva


ACOS co-organiza I Congresso Luso-Espanhol de Pecuária Extensiva

Partilhar informação e ganhar escala para defender potencialidades do setor

Abordar e dar a conhecer a importância ambiental, territorial, económica e social do sistema de produção pecuária em extensivo, refletir sobre as suas práticas e desafios, as mais-valias para a preservação da biodiversidade e de ação contra incêndios, assim como o alargamento dos circuitos de comercialização dos produtos, são alguns dos propósitos do I Congresso Luso-Espanhol de Pecuária Extensiva, a decorrer em Sevilha a 8 e 9 de Novembro. A organização do Congresso está a cargo de uma parceria alargada de que faz parte a ACOS – Associação de Agricultores do Sul, a União dos Agrupamentos de Defesa Sanitária (ADS) do Alentejo, as cooperativas agroalimentares da Andaluzia e a Federação dos Agrupamentos de Defesa Sanitária Animal desta última região.

Realizado à escala ibérica, o Congresso tem como objetivos abordar potencialidades, oportunidades, constrangimentos e desafios que são comuns a ambos os lados da fronteira. Conta com a participação de um leque alargado de especialistas conceituados em diversas áreas, desde a sanidade animal, passando pela ação ambiental e territorial do montado/dehesa, até à comercialização.

O montado português e a dehesa espanhola são ecossistemas caracterizados por atividade agropecuária no interior de sistemas florestais tipicamente mediterrânicos, com uma grande biodiversidade, tanto de fauna como de flora. São habitats únicos no mundo, que importa reconhecer e salvaguardar, razão pela qual se juntaram, na organização do evento, entidades de ambos os lados da fronteira para ganhar dimensão tanto de trabalho conjunto, como de capacidade reivindicativa junto dos decisores políticos nacionais e comunitários, com especial importância nesta fase determinante do delineamento da Política Agrícola Comum pós 2020.

O maneio de gado no sistema de produção em extensivo apresenta como vantagens a sua ação de proteção contra incêndios, de prevenção da perda de solo, de absorção de dióxido de carbono (CO2), de barreira frente às alterações climáticas, entre outros contributos que importa ver reconhecidos e remunerados pela sociedade.

De acordo com a Direção da ACOS “é urgente reforçar a cooperação, com ganhos de escala, tanto a nível da produção, como de investigação aplicada, com trabalho conjunto a nível sanitário, técnico e económico”.

Todos os interessados em participar, tanto produtores, empresários, como técnicos e especialistas e de áreas ligadas direta ou indiretamente à pecuária em extensivo deverão inscrever-se no Congresso