Notícias e Destaques ACOS

Castro Verde já integra a rede mundial de reservas da biosfera da UNESCO

A decisão foi anunciada durante a manhã de 14 de Junho, na sede da UNESCO, em Paris, pelo Conselho de Coordenação Internacional do Programa MaB (Man & the Biosphere).

Castro Verde é a 11ª Reserva da Biosfera em Portugal reconhecida pela UNESCO, e a primeira a sul do Tejo.

O galardão da UNESCO é sinónimo de diferenciação pela qualidade e pela excelência e confere todo um potencial de divulgação e visibilidade mundial.

A elaboração da candidatura, promovida pela Câmara Municipal de Castro Verde, a Associação de Agricultores do Campo Branco e a Liga para a Protecção da Natureza, implicou a dinamização de um processo de participação e construção comunitária, iniciado no ano de 2013, que culminou com a sua entrega em Setembro de 2016 e a subscrição do Estado Português.

Na base da mesma, pesou o facto de Castro Verde ser um “Ecossistema Humanizado de Alto Valor Natural”, onde a compatibilização da actividade agrícola com a conservação da paisagem e da natureza se tem traduzido na manutenção da maior área da estepe cerealífera, criada por práticas centenárias de uma agricultura extensiva, que levou à formação de um riquíssimo mosaico de habitat, onde ocorrem, entre outras espécies, aves como a abetarda, o sisão e o peneireiro-das-torres. 

Esta simbiose entre o Homem e o meio que o envolve tem definido aquilo que é a maneira de ser e de estar deste território e afirma uma identidade que é uma marca de Castro Verde. Esta classificação distingue áreas territoriais de protecção dos recursos naturais e pretende criar modelos de gestão que unam autoridades públicas, privadas e populações locais, através do diálogo, da troca de conhecimento, da melhoria do bem-estar, do respeito pelos valores culturais, em torno do desenvolvimento económico e humano sustentável.

A classificação de Castro Verde como Reserva Mundial da Biosfera da UNESCO reconhece o trabalho desenvolvido ao longo de décadas e trará novos desafios, potenciará uma dinâmica local e de trabalho em rede, tendo por base o Plano de Acção definido.

Por considerar bastante relevante o trabalho realizado, a ACOS – Associação de Agricultores do Sul, manifestou o seu apoio a esta candidatura.